Ju Brito

Há pouco li um poema que dizia “de tudo, quem sabe, fica aquilo que passa”.  Realidade e ficção perderam a nitidez de seus contornos na memória. Não há mais casa, relicários ou álbum de família. Tudo foi tomado pelo fogo. No dia 12 de abril de 2014 Valparaíso tornou-se zona de catástrofe; 8 dias se passaram até que conseguissem controlar o incêndio que tomou conta de vários Cerros da região, entre eles o de La Cruz, La Cañas e Mariposas. O trabalho de reconstrução do que foi afetado continua até hoje.  Dizem por ali, que flores amarelas com propriedade antiinflamatória, começaram a nascer em grande quantidade por onde o fogo passou. O Trabalho de Juliana Brito retrata a ficção do passado apagado pelo fogo e a realidade do presente enfeitado pelas flores misturadas as ruínas.